Controle Ambiental para Portadores de Alergias Respiratórias

Dr André Luiz Becker
Médico Imunologista Clínico UFRGS e ASBAI
Rua Álvares Machado, 44 sala 207 Bairro Petrópolis
Porto Alegre RS CEP 9040-130
www.andrebecker.med.br

Básico e obrigatório:

1) É de fundamental importância compreender que em nosso estado tanto quanto em boa parte do planeta a rinite e asma alérgicas são mais de 90% das vezes associadas à poeira domiciliar. Há uma estreita relação entre a quantidade de alergenos e  a freqüência e intensidade dos sintomas.Na composição desta poeira em geral encontramos os ácaros, fungos e bolores (mofos), resíduos de insetos (em especial as baratas) e os pelos e caspas de animais domésticos.

2) Fatores irritantes dispersos no ar como fumaças, vapores de solventes de tintas, ceras, desinfetantes e alvejantes entre outros; são freqüentes causas de crises e agravamentos desses quadros alérgicos.

Portanto um bom controle ambiental, reduzindo a poeira e substâncias irritantes no ambiente domiciliar, serão de grande valia na redução da intensidade dos sintomas e crises e na necessidade de tratamento médico!


N
o dormitório:
O local onde definitivamente se encontra o maior risco para o alérgico é o quarto de dormir, já que os ácaros alimentam-se de restos de pele cabelo e secreções humanas, abundantes nos colchões, travesseiros, fronhas e todo o entorno das camas.

Numa sala de jantar ou na cozinha podemos ter 98% menos ácaros que num dormitório da mesma casa. Isso se deve ao ciclo alimentar do ácaro. Que alimenta-se de resíduos de pele humana, restos de pelos e cabelos, bem como de secreções humanas (suor, gordura, etc.) muito comuns nas roupas de cama.

Medidas para o dormitório:
1) Capas impermeáveis para colchões, almofadas, cobertores e travesseiros. Aqui começamos a quebrar o ciclo de alimentação do ácaro e reduzir sua população.

2) Lavar a roupa de cama semanalmente, deixando 20 minutos de molho em água à temperatura de 56 graus Celsius.

3) Trocar os travesseiros a cada 6 meses, ou lavá-los com água quente a cada 20 dias, mantê-los com capa e trocá-los anualmente. Em um ano um travesseiro não tratado pode ter 10 a 25% do seu peso constituído por ácaros e seus dejetos alergênicos. O suor muitas vezes favorece geração de mofo no cerne de colchões e travesseiros. Deixar os travesseiros no sol em dias quentes e secos, por no mínimo de 3 horas mostra –se útil para a redução de ácaros e mofos.

4) Evitar sacudir travesseiros e a roupa de cama, mesmo que limpa, no dormitório. O turbilhona mento de ar gerado traz ácaros do chão para a cama e distribui os restos de pele e etc. para os ácaros, alimentando-os.

5) Cuidados com o chão, removendo tapetes, carpetes e similares, reduz-se drasticamente a população de ácaros e tornamos a limpeza mais fácil e eficiente.

6) Evitar que animais domésticos entrem no dormitório, pois estes além de serem potencialmente alergênicos, também trazem resíduos que podem alimentar os ácaros.

7) Manter arejado e livre de poeira.

8) Manter o ambiente seco, pois a baixa umidade reduz tanto ácaros quanto o mofo.

9) Limpar o quarto diariamente com pano úmido com água e álcool em partes iguais.Se não for possível, usar aspirador de pó com filtros de partículas finas e com técnica adequada.

10) Simplificar a limpeza. A limpeza num ambiente planejado com superfícies lisas, sem forrações e com poucos detalhes como livros, bichos de pelúcia, almofadas, brinquedos, objetos guardados sob a cama e cortinas, é menos trabalhosa e tem maior eficiência.

11) Se não puder evitar bichos de pelúcia, reduza o seu número e mantenha-os lavados a cada 20 dias ou guardados em local fechado e longe das camas